Artigos do Prof. Marins e textos dos programas de TV

O Paradoxo do Sucesso Empresarial

  • Imprimir

O paradoxo que vejo em muitas empresas é o seguinte: quando elas são fundadas, geralmente por um empreendedor visionário, elas só pensam em servir o cliente de forma encantadora e surpreendente através de produtos e serviços de qualidade diferenciada, preços justos, atendimento excelente, etc. E elas sabem que para ter sucesso, precisam de pessoas excelentes que comunguem da mesma visão e que, para isso, precisam ter qualidade de vida no trabalho.   É claro que pensam em “ganhar dinheiro”, mas esse é um objetivo sempre visto como “consequência” de toda a excelência em pessoas, produtos e serviços.
E assim, com essa visão, elas crescem, se desenvolvem e se tornam sucesso.
O paradoxo que vejo é que, após terem atingido todo esse reconhecido sucesso, elas começam a contratar profissionais “experientes” que invertem o objetivo.   “Ganhar dinheiro” passa a ser a causa e não a consequência. Tudo deve se submeter ao lucro que é visto como a única razão de ser da atividade empresarial.  O cliente passa a ser um mal necessário e não aquele que merece todo o respeito. Passa-se de uma visão de longo prazo para o curto prazo: ganhar já! Ganhar tudo agora! Cortar custos, sem olhar as repercussões de longo prazo, passa a ser o mantra da empresa.
As pessoas mais antigas - aquelas que participaram de seu crescimento e desenvolvimento e que foram impregnadas pela visão de servir e de defender os clientes, passam a ser vistas como sonhadoras e ingênuas que não acompanharam a evolução dos tempos e, portanto, precisam ser descartadas. As velhas histórias heroicas de atendimento ao cliente viram motivos de riso e chacota desses novos executivos com mentalidade exclusivamente financeira. A história da empresa é jogada no lixo.
O resultado é que em pouco tempo os clientes, fornecedores e a própria comunidade insatisfeitos e se sentindo traídos pela mudança de postura da empresa começam a abandoná-la. E o maior paradoxo é que ela se vê abandonada não só pelos seus antigos clientes e fornecedores, mas, agora, também pelos espertos executivos que a levaram à ruína, pois eles não tinham nenhum amor à empresa ou à marca ou aos clientes, somente aos seus bônus milionários. Estavam ali apenas por dinheiro e quando o dinheiro se vai, esses mercenários vão junto para onde ele estiver, momentaneamente, indo destruir novas empresas. Com enorme tristeza, vejo isso acontecer todos os dias com empresas que eram excelentes e que perderam o seu rumo, o seu foco e não encontram mais o caminho de volta. Elas se esqueceram de que o lucro é consequência e não causa do sucesso.
Pense se sua empresa não está sendo vítima deste paradoxo do sucesso.
Pense nisso. Sucesso!

Enviar para DiggEnviar para FacebookEnviar para Google PlusEnviar para TwitterEnviar para LinkedIn