Artigos do Prof. Marins e textos dos programas de TV

Rica, famosa e invejada

  • Imprimir

 RICA, FAMOSA E INVEJADA

 

Luiz Marins

 

   Quando perguntamos a mais de uma centena de jovens, reunidos numa atividade da Fundação Luiz Almeida Marins Filho,  o que é ser uma pessoa feliz, a resposta que nos deram foi: uma pessoa feliz é uma pessoa rica e famosa e que é invejada por outras pessoas. Essa preocupante resposta é fruto de uma sociedade que valoriza mais o “ter” do que o “ser” e em que o desejo de celebridade parece ser superior a qualquer outro valor. 

  A consequência é o que temos assistido: corrupção, mentira, deslealdade, desonestidade, ausência de valores éticos e morais. Os fins - ser rica, famosa e ser invejada - parece justificar todos os meios para se conseguir esse objetivo.            E o que é mais preocupante é que os exemplos recentes, dados por empresários corruptores e agentes públicos corruptos, fazem com que os jovens acreditem que não haja mais pessoas honestas e - o que é ainda pior - acreditem que honestamente seja impossível vencer e ser feliz.

  Psicólogos, psicanalistas, filósofos e psiquiatras famosos têm alertado sobre os riscos de uma sociedade alicerçada nessa crença.  Lembro-me de uma palestra do Dr. Içami Tiba em que ele pedia aos professores que voltassem a discutir com seus alunos os temas básicos de virtudes e valores e disse, com todas as letras, que estaremos construindo uma sociedade insustentável se pais e professores continuarem a se omitir sobre esses assuntos. O famoso psicanalista inglês Adam Phillips, em inúmeras entrevistas, tem feito o mesmo alerta.

  Ninguém é contra uma pessoa desejar ser rica e famosa. O que nos tem chamado a atenção e nos preocupado é que esses atributos não são vistos como consequência de uma vida de trabalho, digna, moral e eticamente defensável, mas como produto da esperteza e do oportunismo, sem nenhuma consideração ética ou moral. 

  Tenho visto com esperança que as empresas estão começando a chamar para si essa responsabilidade. Palestras e debates sobre ética, compliance, comportamentos desejáveis, boas maneiras e mesmo a adoção de códigos de ética e de vestir, são uma luz no fim desse escuro túnel.

  Pense nisso. Sucesso!

Enviar para DiggEnviar para FacebookEnviar para Google PlusEnviar para TwitterEnviar para LinkedIn