Artigos do Prof. Marins e textos dos programas de TV

Quem ajudou você a chegar até aqui?


Há pessoas que não têm nenhum compromisso com o passado. Esquecem-se, com incrível rapidez, das pessoas que as ajudaram a chegar onde chegaram, a ser o que são. Para elas vale o presente e a satisfação de seus desejos de poder ou mesmo de tranqüilidade e conforto. Se o desejo é de poder, passam por cima da história como um trator. Abandonam amigos, ex-companheiros e até familiares para atingir o que almejam. Se o desejo é de tranqüilidade e conforto, não se importam em ajudar os que os ajudaram quando essa ajuda exigir algum trabalho ou desconforto. Ignorando o passado e sua própria história, essas pessoas mais parecem máquinas do que gente. Vejo isso todos os dias. Depois que chegaram onde estão, sofrem de uma perda de memória total. Perdem a noção da história e afirmam a quantos queiram ouvir que só devem seu sucesso ao próprio esforço e capacidade.
 Vejo isso acontecer com empresários, executivos, políticos, funcionários e até filhos. São filhos que se esquecem da ajuda dos pais. De quanto os pais se esforçaram, silentes sofredores, para que os filhos se formassem, pudessem estudar e ser hoje o que são. Conheço filhos ingratos que receberam muitos bens de seus pais e não pagam nenhum tributo de gratidão a eles. Pelo contrário, conheço muitos pais afetivamente abandonados por filhos que deles tudo receberam.
 São empresários que fazem questão de não se lembrar de seu passado e das pessoas simples que lhes deram as mãos quando mais necessitavam. São executivos que se esqueceram de antigos chefes que os ensinaram a profissão. Isso sem falar dos políticos que sofrem de amnésia profunda quando chegam ao poder. A história política parece ser feita de ingratidões e infidelidades das criaturas aos seus criadores.
 Esse descompromisso com o próprio passado é um pecado mortal aos que o cometem e a história nos mostra que para esse pecado, o inferno é aqui na terra, pois o ingrato sabe bem da ingratidão que comete e não engana a sua própria consciência. Além desse inferno pessoal, acabará sendo vítima do mesmo mal, pois dos que porventura ajudar, receberá igualmente o esquecimento e a ingratidão.
 Assim, faça uma lista das pessoas que o ajudaram, de uma forma ou de outra, a chegar onde está. Comece pelos seus pais, amigos, professores. Ao completar a lista, fale a eles de sua gratidão e, mais do que isso, não os abandone e faça a sua gratidão ser verdadeira em atos concretos de reconhecimento.
 Pense nisso. Sucesso!

 

 

Enviar para DiggEnviar para FacebookEnviar para Google PlusEnviar para TwitterEnviar para LinkedIn

Informações Adicionais