Artigos do Prof. Marins e textos dos programas de TV

Se eu sair, minha empresa fecha

Depois de algum tempo que uma pessoa fica num emprego, ela pode correr o risco de pensar que é insubstituível. Isso é muito comum. A pessoa tem a sensação clara de que se ela deixar a empresa, a empresa não conseguirá sobreviver. Ela começa se achar vítima do patrão, dos chefes e até de seus colegas. Ela começa a ter um desejo inconsciente de “punir a empresa” através da sua saída, pois ela terá certeza que todos virão de joelhos implorar a sua volta.
Conheço pessoas que ficaram totalmente decepcionadas e mesmo depressivas ao verem que a empresa em que trabalhavam sobreviveu à sua saída e que alguns meses depois nem se lembravam mais dela. Geralmente essas pessoas começam a falar muito mal da empresa em que trabalharam e até mesmo inventam boatos dizendo que a empresa está com problemas financeiros, de qualidade ou outros quaisquer e por isso ela a deixou. Conheço pessoas que ao deixar seus empregos comentaram ter absoluta certeza de que seus ex-patrões viriam correndo oferecendo salário maior para que voltassem. Um homem que conheci, não aceitou um novo emprego dizendo estar aguardando o telefonema de seu ex-patrão pedindo a sua volta. Eles não conseguirão sobreviver sem mim, afirmou ele. Meses depois, ele continuava desempregado.
Quero deixar claro que esse sentimento de ser insubstituível é natural em muitas pessoas, pois elas realmente são pessoas-chave para as empresas em que trabalham. De fato, seus patrões sentirão muito a sua saída. De fato elas farão falta. Mas cuidado para não cair nessa armadilha.
Da mesma forma e com a mesma gravidade, conheço patrões que acreditam que seus funcionários jamais deixarão suas empresas e dizem: “ele não encontrará emprego igual a este” ou ainda “ninguém o contratará e ele voltará de joelhos pedindo para voltar.”
Os dois lados se enganam. A verdade é que nem empregados, nem patrões são insubstituíveis e é preciso ter muita humildade, calma, paciência e, principalmente, muito equilíbrio para entender essa verdade.
Pense nisso. Sucesso!

Enviar para DiggEnviar para FacebookEnviar para Google PlusEnviar para TwitterEnviar para LinkedIn

Informações Adicionais